Our Destiny - Capítulo doze / 2ª Temporada.

3 comentários
Capítulo doze – Desaparecido.
Estava tudo tão perfeito.
SeuNome P.O.V’s 

            Eu e Harry arrumamos nossos sacos de dormir perto um do outro, um pouco distante da fogueira que Thomas tinha feito. Harry jogava um idiota jogo em seu celular eu nem quis olhar para ver que merda era aquilo, mas seu sorriso e suas leve mordidas nos lábios e logo depois um suspiro de fracasso vinha. Eu estava sentada em cima do meu saco de dormir, era laranja com uns desenhos cinzas, e o do Harry era maior que o meu, sem dúvida nenhuma eu caberia lá dentro. Passei as mãos na minha perna nua, eu estava de short tinha trocado de roupa uns dez minutos quando o calor chegou, um short jeans com manchas espalhados, e uma blusa de manga cumprida, sim estava calor algo de vinte e dois graus, mas batia um vento frio e Harry é como uma mãe, disse que poderia ficar de pernas de fora mas com os braços cobertos para evitar alguma gripe.
Olhei em volta e Sidney e Anice conversavam animadas perto da fogueira, Laura, Marta e Jéssica também estavam ali no meio, mas elas só observavam. Vi Sidney deslizar seus dedos pela perna de Niall que estava atrás dela mas com as pernas ao lado de sua cintura, ela parecia gostar dele da mesma forma que ele gostava dela, não tão obsessivo mas eu não tinha motivos para dizer que não havia sentimento. E se Anice não fosse tão estúpida as vezes eu não teria motivos para odiá-la já que não aparentava ser tão chata assim, mas infelizmente acho que me meti no meio de um grupo errado. Me apaixonei pelo garoto proibido.

– No que está pensando? – Harry perguntou e eu curvei meu pescoço e o olhei, ainda jogava algo no celular. – Está suspirando como se estivesse pensando em algo muito interessante.
Eu: Na verdade é sim, estava pensando em você. E em como no começo, quando você chegou, Jéssica e Anice falavam algo sobre você ser delas e que não eramos para nos meter com você porque você seria de uma delas e então na mesma semana eu e você ficamos juntos, eu juro que não pensei nela, não pensei em mim, não pensei em ninguém. E se tivesse pensado nada disso aconteceria agora.
Harry: Quando cheguei na escola e vi você o meu primeiro pensamento foi: Aquela garota é a garota que entrega cartas, é a SeuNome. Sabe quando você acha que gosta de alguém e quando ela some você diz, não eu não gostava dela, era só uma atração passageira, mas quando você a vê novamente todo aquele sentimento volta de uma forma mais intensa e deixa você de pernas bambas só de pensar naquela pessoa, ai você percebe que não era somente uma atração e sim uma paixão. Algo mais intenso e verdadeiro.
Eu: E você deveria ter me contado a verdade....
Harry: Não gosto de entrar nesse detalhe, fui tão fraco. Eu ficava te observando e queria fazer você se apaixonar por mim, mesmo que já estivesse mas queria que se apaixonasse por Harry e não por Edward o garoto da porta.
Eu: Ambos são a mesma pessoa, Styles! – revirei os olhos. – Idiota.
Harry: Eu sei. – ele já tinha largado o celular faz tempo e agora o mesmo apitou e uma voz anuncio game over. Harry fez uma careta mas não se importou.
Eu: A propósito, sabe as cartas que você falou no primeiro dia de aula depois das férias? Não fui eu quem as escrevi.
Harry: Eu sei, mas tem alguma ideia de quem tenha sido?
Eu: Não faço a mínima ideia. Mas eu não me importo, não me importo mesmo. – virei-me a cabeça novamente e vi Camila entrando no meio das árvores com uma câmera na mão, alguma coisa ela estava aprontando. – Harry eu vou ir ver se encontro um banheiro com a Camila, já volto. – selei seus lábios, ele fez um biquinho logo em seguida, sorri com o ato e levantei correndo em direção as árvores que a Camila tinha entrado.

            Estava escuro, isso era fato. A única coisa que nos iluminavam era a fogueira e a lua e de vez em quando os flashes dos nossos celulares, mas tirando isso não tinha nada mais que iluminasse nosso caminho e para onde íamos.
            Não foi preciso andar muito para ver Camila, ela estava encostada em uma árvore e apoiava sua câmera ali, parei ao seu lado sem falar nada e a vi mirando a câmera para algum lugar, vi que era em um casal quando a nuvem que cobria a lua saiu a luz ficou perfeita em cima de Aline e Louis que estavam apoiados em outra árvore se beijando, Camila tirou algumas fotos deles se beijando e se acariciando, até que o clima pareceu ter esquentado entre eles.

Eu: Acho que v....
Camila: Ai meu Deus, meu coração. – ela sussurrou colocando a mão no peito e batendo as costas contra a árvore quase derrubando sua câmera, olhei para Loully (Louis e Ally) E eles continuavam se pegando ferozmente. – Como você chega assim de fininho e não diz nada?
Eu: Estou aqui a quase dez minutos, se fosse um maníaco da floresta te matava e você nem sentiria a dor.
Camila: Que horror. – sussurrou, mexeu na câmera e colocou novamente no outro lugar, ela não usava flash o que fazia com que os dois não nos visse.
Eu: Você acha certo? Eles estão quase transando, Camila.
Camila: Não se preocupe quando eles tiverem prestes a fazer eu paro.
Eu: Você é nojenta. – ela riu pelo nariz e tirou mais uma foto, olhei pela câmera e pelo zoom que a Camila tinha dado no relevo na calça do Louis.
Camila: Aparentemente bem-dotado.
Eu: Para! – bati em seu braço rindo baixo.
Camila: Que fogo, eu espero que usem camisinha. – ela bateu aparentemente a última foto, vi Louis retirar a camisa, Aline já estava sem a sua faz tempo, tênis e as calças também não faziam mais parte das roupas.

            Camila desligou a câmera e pegou na minha mão me puxando para fora da mata, saímos um pouco pro lado do que esperado. A fogueira ainda estava acessa mas o pessoal que conversava lá não estavam mais. Os sacos de dormir estavam todos cheios, algumas barracas também estavam armadas e tinha gente lá dentro. Não queria imaginar quem eram lá dentro, pouco me importava. Camila sentou em um tronco perto da fogueira e começou a mexer na câmera.

Eu: Não vai dormir?
Camila: Não estou com sono. – sussurrou – Pode ir.
Eu: Vai ficar acordada, Camila?
Camila: Eu não serei a única. – apontou pra mata e eu lembrei dos dois que estavam lá. – Você pode ir ficar com o amor da sua vida. – sorriu.
Eu: Você deveria fazer o mesmo com o Zayn.
Camila: O quê? – ela perguntou confusa.
Eu: Você e o Zayn, fazem um belo casal.
Camila: Não acho. – sentou em um tronco e olhou pros lados. – Posso fazer uma pergunta?
Eu: Qualquer uma.
Camila: Acha que estou engordando?
Eu: Que tipo de pergunta é essa?
Camila: Não, você acha que eu estou tipo, engordando? – analisei ela de todos os jeitos.
Eu: Não dá pra ver você tá de moletom.
Camila: Certo mas de moletom eu pareço gorda?
Eu: Porque todas essas perguntas?
Camila: Só pra saber. – olhou pro lado.
Eu: Você está escondendo algo.
Camila: Não, eu só quero a opinião das minhas amigas sobre como estar o meu corpo.
Eu: O seu pé tá inchado, e o seu bumbum cresceu nos últimos dois meses, mas não parece gorda, confia em mim, agora se você tirar o seu moletom eu posso dizer.
Camila: Não tudo bem, pode ir com o seu namoradinho de cachinhos. – sorriu abertamente e me empurrou. – aproveite.
Eu: Tudo bem, não faz nada de errado.
Camila: Eu prometo solenemente. – sorri enquanto ela fazia um x no peito. Andei até Harry que estava deitado também, seus cabelos cacheados eram visto de longe.

            Tirei meu sapato e coloquei ao lado do meu saco de dormir perto da minha mochila, soltei o cabelo e passei os dedos tentando penteá-los. Entrei dentro daquele troço, estava bem perto de Harry, cerrei meus olhos tentando entender porque ele tinha se deitado sem me esperar voltar, talvez estava com muito sono e não conseguiu esperar, eu perguntava isso quando ele acordasse. Me ajeitei no colchão e passei a minha mão em volta da sua cintura como fazia sempre que dormíamos juntos. Mas senti algo diferente, não sei se era pelo saco de dormir ou pelas roupas que Harry usava, não parecia ser, estava mais magro e diferente pra mim.

Eu: Harry? – chamei e levantei um pouco desajeitada quase caindo nos meus pés, Camila perguntou se eu estava bem e eu neguei, cai de joelhos contra a minha vontade depois de tropeçar em uma pedra. Camila andou até a mim que reclamou de dor nas mãos.
Camila: Que foi? – perguntou me olhando, andou até o saco do Harry e o empurrou. – Harry bro. – ela abaixou e então eu vi a expressão de susto em seu rosto, empurrou com tudo o saco pro lado e eu pude ver, não era Harry, não era ele.
Eu: O que é isso? – perguntei olhando para aquilo, sabendo obviamente o que era.
Camila: Uma brincadeira de mal gosto. Há, há, há, Harry pode sair, não teve graça. Colocar um boneco com uma peruca cacheada no seu lugar, que original. – falou cruzando os braços e olhando em volta, olhei também mas não tivemos respostas. – Harry?
Eu: PODEM SAIR. – gritei irritada.
– Parem de gritar, estou tentando dormir. – Anice pediu abrindo a barraca e de lá de dentro saiu ela, Anice e Laura.
Sidney: Ué, cadê o Niall? – ela olhou em volta, Cams andou até o saco de dormir que tinha ali mais próximo, pisou em cima e ela esvaziou, fez isso com todas as outras e todas foram esvaziando mostrando que estavam vazias. Levantei um pouco tonta e olhei minhas mãos, raladas. – Que tipo de brincadeira é essa? Não gostei nenhum pouco.
Camila: Harry? Zayn? Podem parar de serem idiotas, por favor? Só um pouco, sejam adultos e levem isso a sério. Tá bom, teve um pouco de graça. – riu sem humor. – Agora já podem sair.
– Tão falando com quem? – tomei um susto e virei-me rapidamente, vendo Taylor, Cameron, Matthew, Benjamim saírem de dentro das matas.
Eu: Você viu o Harry? Ele estava aqui e então tem um boneco de pano em seu lugar. – falei confusa e Taylor olhou em volta, parou seu olhar aonde Harry estava e fez uma expressão confusa.
Taylor: Não, não sei aonde ele está, mas provavelmente não foi longe, ele deixou seu celular. – apontou pro chão e o celular dele estava ali, olhei em volta novamente tentando encontrar algum dos idiotas fazendo algum tipo de brincadeira.
Sidney: Quando entramos na barraca, Niall, Zayn, Liam e Harry conversavam ai. – ela apontou pra onde eu estava.
Benjamim: Qual é, eles devem ter ido pegar lenha, ou cobertas no carro. Daqui a pouco voltam.
Camila: Não sei, Zayn não iria assim sem avisar a ninguém.
Laura: Talvez Zayn não esteja com eles, afinal.... Marta e Jéssica também não está aqui.

            Olhei em volta procurando e ela tinha razão, Marta e a Jéssica também não estava ali então talvez Zayn poderia ter ido com elas para algum lugar fazer o que Louis estava fazendo, Harry, Liam e Niall protetores como sempre foram buscar cobertores e acabaram fazendo alguma gracinha por lá e vão demorar mais que o normal para voltar, já que quando os três se juntam resultam a brincadeiras de crianças sem fim.

Anice: Tudo bem, vamos todo mundo dormir, porque o sono está forte e é quase duas horas da manhã, daqui a pouco os rapazes estão ai. – ela voltou pra dentro da barraca e Sidney e a Laura a seguiu. Matthew, Benjamim, Taylor e Cameron foram para perto da fogueira com algumas bebidas e marshmellows.

Camila: Você acha que o Zayn foi ficar com a Marta? – ela sentou no saco de dormir do Harry tirando o boneco dali.
Eu: Você gosta do Zayn ou do Niall? – perguntei me sentando também.
Camila: Não consigo me explicar certamente. Acho que do Niall, mas o Zayn me protege sinto que tenho que proteger ele também.
Eu: Então deixa ele ficar com a Marta.
Camila: Mas ela é vadia.
Eu: Camila, você tem que parar de falar que todo mundo é vadia.

            Ela deu ombros e olhou pro outro lado, em direção as árvores. Era engraçado como a um ano atrás eu me via em casa trabalhando para a minha tia, desesperada para saber o que realmente aconteceu com os meus pais, cuidando dos meus primos e nessa época no ano passado a casa de meus tios era a única não enfeitada para o natal, e também eles eram os únicos que não comemoravam. Eu não tinha amigos, minhas primas saíam com os namorados delas e eu ficava em casa, sozinha, olhando os fogos pela janela do quarto. E toda virada do ano eu pedia um ano melhor, mas ano passado eu não pedi nada, eu olhei pro céu e imaginei meus pais me abraçando, era meia-noite e dez quando lembrei que as pessoas faziam pedidos a meia-noite, era tarde demais, mesmo assim eu sabia que meus desejos nunca seriam realizados, mas eu percebi que tudo é um mito, isso de fazer desejos, fazem quem quer e só realiza para quem corre atrás. Eu não pedi nada, esqueci do que queria, mas motivei-me a mudar, porque eu soube que se eu não fizesse nada o meu desejo nunca se realizaria, ele não bateria na minha porta dizendo: “Olá, cheguei” eu fui atrás e então simplesmente tudo mudou, parece tão bom e perfeito pra mim que nem os sentimentos ruins que estou sentindo, ou seja, um trator está esmagando os meus órgãos e as pessoas chamam o trator de amor. Eu não me importo com a dor, me importo com o que estou sentindo o que estou vivendo e como tudo tem mudado radicalmente, tornando tudo melhor e mais empolgante.

Continua.... 
<< Capítulo Anterior

---------------------------------------------------------------
Eita Giovanaaaaaaaaaaaaaaa 
E agora? O Harry sumiu no meio da mata, imagina você ta no meio de uma pequena floresta com algumas amigas e encontra Harry e seus amigos, eu sequestraria. To nem ai se o Niall fosse mais forte, dava um jeito de sair arrastando kkkkkkkkkkkkkk que horror. 
Enfim, espero que vocês gostem desse capítulo, quero suposições de o que aconteceu com os guris. 
Beijssssssss

Our Destiny - Capítulo onze / 2ª Temporada.

9 comentários
Capítulo onze – Invisível
A loucura não é uma doença é uma cura pra realidade.
Camila Homs P.O.V’s 

            Abri os meus olhos vagarosamente e tendo a vista mais linda do mundo para enxergar quando você abre seus olhos pela primeira vez depois de um belo sono depois de um cansativo dia. Virei-me na cama as luzes estavam todas apagadas e as meninas não estavam no quarto. Tirei o cobertor de cima do meu corpo, girei-me na cama e peguei o celular que estava na escrivaninha ao lado e chequei as horas nove e quinze era a hora do café da manhã aqui nesse hotel, eu estava sem fome então não teria motivos para descer. Encarei um papel ao lado de uma barra de chocolate com banana. “Camila, coma isso você não come nada além de bala desde a hora que saímos de Londres. A propósito vamos acampar não desfaça suas malas. Ally Jones:)x” Sorri com a sua assinatura e levantei pouco me importando com a barra de chocolate, andei até a minha mochila, revirei ela de ponta cabeça até achar uma garrafa com vodca, Zayn tinha escondido em sua mochila para que não pegasse na revisão, acharam que era água e ele conseguiu trazer e me deu. Abri a garrafa e senti o cheio forte de álcool, virei tudo de uma vez na boca e cai para atrás no tapete olhando o teto e a forma linda que a luz entrava no quarto, era linda, magnífica.

– Você não devia beber. – levantei assustada escutando uma voz masculina e eu me lembrava de quem era mas ainda duvidava, corri meio tonta até o interruptor e ascendendo a luz, olhei em volta e não tinha nada, procurei debaixo da cama e atrás das cortinas, eu estava ficando louca.

            Ficando louca.

            A porta foi empurrada com força me fazendo assustar e derrubar a garrafa vazia no chão. Era Aline e Jéssica, as duas riam enquanto conversava sobre algo que eu senti curiosidade de saber o que era, mas não perguntei, elas me viram e passaram por mim rapidamente, Aline passou a mão no meu cabelo o bagunçando, revirei os olhos depois que as duas já tinha passado com Jéssica falando algo que eu não conseguia entender se quer uma palavra.

Aline: Pega sua mochila, Cams. Vamos sair agora, já tem uma van esperando a gente lá embaixo.
Eu: Vamos aonde?
Aline: Para uma trilha, o Thomas disse que tem uma bem grande perto de um lago e dá até pra assar algumas coisas.
Eu: Okay! – andei pelo quarto e me abaixei para pegar a minha mochila que estava aberta, a fechei e coloquei nas costas.
Aline: Comeu o chocolate que eu deixei pra você comer? – estava perto da escrivaninha me estiquei e empurrei o chocolate para atrás dela fazendo cair no chão, virei-me a vi Ally sair do banheiro e me olhar.
Eu: Sim. – apontei pra escrivaninha. – Adoro chocolate. – sorri.
Aline: Eles reforçam, dão energia, e essas coisas. – assenti enquanto andava até ela.
Jéssica: Achei um milagre a diretora não ter dito nada.
Aline: Ela não liga pra gente já faz um tempo, não está mais nem ai.
Jéssica: É, tem isso. – ela riu e a Aline riu também, só eu não entendi? – Bom, vamos?

*** 

            Entrei na van e vi todos aqueles olhares para mim, me senti uma desconhecida, uma excluída, e estranha. Era como se eles não me conhecessem, era como se eu fosse nova. Franzi o cenho e neguei com a cabeça devagar, vi Zayn sentado na última fileira de cadeiras ao lado de Laura e Marta. Virei me rapidamente para descer mas a Aline já estava entrando na van e fechando a porta.

Eu: Quero descer não estou me sentindo bem.
Aline: Quê? – virou-se e colocou a mão na minha testa. – Está com o quê?
Eu: Eu só não quero ir. – ela entendeu o porque sem eu ao menos falar, não usava nem 10% do seu cérebro mas era inteligente as vezes.
Aline: Olha a inspetora só deixaria a gente ir se levássemos elas, porque ficaram insistindo. – olhei ao lado vendo Sidney e Anice. – Eu não tenho culpa.
Eu: Essa bosta de acampamento vai ser o pior da minha vida. – a van começou a andar. – Com certeza será o mais idiota, só por causa dessas vadias.
Niall: Não fala assim delas, Camila.
Eu: Vai pro inferno, Niall. Ninguém liga para você. – andei até SeuNome sentando ao seu lado.
Jéssica: Vou sentar ai, Camila.
Eu: Vai sentar porra nenhuma, eu já sentei aqui.
Jéssica: Criança.
Eu: Vadia. – todos fizeram tons de surpresos e eu joguei a minha cabeça para atrás após receber um olhar de decepção de Aline.
SeuNome: Você adora chamar a atenção. – sussurrou rindo.
Eu: Eu estou cansada, SeuNome. Tudo tá tão confuso aqui. – sussurrei de volta e apontei pra minha cabeça.
Harry: Gosto da sua atitude, pelo menos fala o que pensa, faz o que quer e não precisa se preocupar com nada. Mas sem confusões Camila, não hoje.
Eu: Eu sei, Harry. Mas é impossível controlar. Doí tanto ver as coisas só dando errado pro meu lado, eu odeio isso, e entendo porque muitas pessoas se suicidam a cada dia, elas não conseguem ser forte o suficiente pra viver essa merda de vida.
SeuNome: Mas você é tão feliz, não sei, não consigo ver tristeza em você.
Eu: É porque quem sofre de verdade não deixa transparecer.


            Eu pedia socorro alto e ninguém ouvia, mas agora meu socorro é baixo quase silencioso assim eu não sofro quando ninguém vem me ajudar, porque eu sei que ninguém o ouviu.

Harry: Acredite se quiser, mas eu sei o que você passa. – sorriu confiante mas eu sabia que não, ele não sabia, ninguém sabia. Eu estava ficando louca e confusa a cada dia e nem mesmo eu sabia.

***

            Desci da van depois de algumas pessoas descerem, tirei um maço de cigarro do bolso abri devagar e tirei um cigarro dali, o ascendi segundos depois e devolvi o maço ao bolso, olhei pro lado e só conseguia ver matos, e chão de terra. Todo mundo conversava e eu me senti excluída por um momento por ninguém ter notado que eu estava aqui, ou falado comigo como era antes. Zayn me olhou enquanto conversava com Cameron e rapidamente virou pra frente.
            Agora eu sou invisível. 
            Senti um aperto no meu peito, uma vontade de chorar. Mas apenas traguei o meu cigarro soltando toda a fumaça ao ar. O cigarro e as bebidas agora eram os meus melhores amigos, pelo menos eu sabia que eles nunca me abandonariam porque estaria ali sempre que eu precisasse, e eu me sentiria bem com eles. Sim, eu me sentiria muito bem.

– Você está morrendo aos poucos. – olhei em volta procurando pelo dono daquela maldita voz mas logo abaixei a cabeça sentindo ela doer muito, fechei os olhos com força.

            Eu não estou doida, não estou doida. É paranoia, isso vai passar, eu sei que vai.

Aline: Bom, galera. O Thomas vai nos guiar até o lugar aonde podemos colocar os sacos de dormir que os garotos estão carregando. Por favor, o caminho é um pouco longe então não parem, para não se perderem.
Taylor: Vamos ao nosso destino meus amigos.
Zoe: Todos são amigos aqui, claro. – sorriu sendo irônica.
Jéssica: Por favor não vamos brigar hoje.
Louis: Falou a vadia. – disse rindo e os meninos riram junto fazendo Jéssica e Aline me olharem como se eu fosse a culpada e ela a vítimas.
Thomas: Podemos ir?

            Todos assentiram e começaram a andar. Zayn com Laura e Marta, conversando animadamente, ele nunca fazia isso, nem ao menos comigo, aquele sorriso, eu mal o via. Harry estava andando com SeuNome, seu braço em volta de seu pescoço, animados, muito animados ele beijava ela a cada segundo, ew. Anice e Sidney iam um pouco atrás abraçadas também, conversando e apontando pra alguma coisa no céu. Taylor, Cameron, Liam e Niall estavam brincando de algo idiota enquanto carregavam sacos de dormir. Zoe e Paige de mãos dadas, Mathew e Benjamim também estavam ali e iam conversando e segurando uns sacos de dormir. Louis, Thomas, Jéssica e Aline iam na frente, segurando outros sacos de dormir. Revirei os olhos e andei atrás deles. Devagar e batendo o meu tênis velho em alguns galhos secos no chão.
            Minha mãe sempre disse pra mim que quando eu me sentisse sozinha era pra pensar nas coisas boas que aconteceram comigo no passado, eu só conseguia ver o seu rosto e do meu pai os dois sorrindo e me olhando como se eu fosse o maior orgulho o que na verdade eu não sou e todo mundo sabe. Mas logo vinha a imagem dos dois separados, dela xingando ele e ele xingando ela. Minha mãe trancada no quarto e meu pai arrumando outra mulher e lá eu estava sozinha novamente.             Tentei recordar as minhas amigas, aquelas que eu tinha de infância, mas um dia eu vi a minha melhor amiga ir embora sem ao menos se despedir e a minha outra amiga precisou ir para uma daquelas casas para crianças sem pais, e então lá eu estava sozinha novamente. No final eu sempre vou ficar sozinha, pode ter dez pessoas ao meu lado, se divertindo e sorrindo, por fora eu posso ter 5 melhores amigos, posso estar rodeada de pessoas, mas eu sei que por dentro eu estou sozinha, sem ninguém, apenas eu. Sozinha e abandonada.

            Eu só queria que alguém perguntasse se eu estou bem de verdade, se eu estou com algum problema, me abraçasse durante uma lágrima e dissesse que tudo ia ficar bem, mas eu sei que isso nunca vai acontecer porque a compaixão é impossível. O amor pelo próximo é impossível, uma vida feliz é impossível. Eu sonho a cada dia conseguir simplesmente ver a verdade no rosto daqueles que dizem me amar, mas eu sei que isso é tudo mentira e que um dia isso tudo vai acabar. Porque nada, nada é pra sempre e a verdade um dia aparece.

– Você está bem? – Zayn perguntou enquanto me esperava junto com Laura e Marta, sorri fracamente mas ele insistiu. Ele não estava interessado em saber, somente perguntou para parecer que se importava eu conhecia o Zayn. – Camila, você está bem? – eu não queria responder eu sabia que choraria se dissesse alguma palavra, estava tentando ser forte mas era difícil. – Camila, o que está acontecendo? Você está bem, ma babe? – falou enquanto andávamos e eu senti meu peito apertar e uma vontade forte de abracá-lo.
Eu: Eu sempre estou bem. – respondi com a minha voz falhada por conta do choro preso na garganta.

            Só ficando louca, mas eu estou bem, não se preocupa isso acaba quando eu for embora.
Continua.... 
<< Capítulo Anterior                                                                Próximo Capítulo >>>


---------------------------------------------------------------------------
Genteeeeeeee P.O.V da Camila porque ela vai ser um personagem importante nessa temporada, vocês vão entendem mais daqui pra frente. Esse acampamento não vai dar certo só pra dar spoiler, enfim. Sei que vocês gostam da "SeuNome" mas é só pra não deixar nada faltando. Espero que vocês gostem desse capítulo, e tentam descobrir o que está acontecendo com essa molier. 
Até mais.